quarta-feira, 12 de junho de 2024

Santos Populares Entre Coleções

 

Santo António dos milagres

E também casamenteiro

Diz-me que novas nos trazes

Neste dia tão soalheiro?


Santo António, madeira policromada e dourada.

Portugal, séc. 18-19.

quarta-feira, 5 de junho de 2024

Bom dia!

 

Azulejo de padrão relevado, Inglaterra, H&R Johnson Ldª, séc. 19 (inícios). As rosas da direita são do nosso Jardim da Calçada.

sábado, 1 de junho de 2024

Dia Mundial da Criança

 


No Dia Mundial da Criança deixamos a sugestão deste livro que conta a história de quatro crianças que, noutros tempos, se encontraram na Casa da Calçada. Mundos para descobrir e encantar!

quinta-feira, 30 de maio de 2024

Hoje é feriado, a Casa está encerrada, mas ...

 

... amanhã faça algo diferente, visite-nos. Estamos abertos das 10h00 às 17h30.    

 A CASA DA CALÇADA pertenceu aos Condes da Calçada, que a reconstruíram no séc. XIX, sobre edifícios anteriores. O Dr. Frederico de Freitas alugou-a nos anos 40 e aqui viveu com a sua família, vindo a falecer em 1978. Por testamento, deixou o recheio da sua casa à Região Autónoma da Madeira. Posteriormente o Governo Regional adquiriu a moradia e iniciou grandes obras de restauro e adaptação a Casa-Museu, respeitando o traçado primitivo.

quarta-feira, 8 de maio de 2024

O café Apolo

 




O café Apolo foi desde início instalado neste edifício, construído de raiz para o efeito e inaugurado a 1 de dezembro de 1945. A sua arquitetura de linhas retas e austeras é típica do período do Estado Novo. O Apolo é desde sempre um ponto de encontro e de convívio na cidade do Funchal. Quem transita pela agitada área frente à Sé, quase não se apercebe da presença discreta, porém emblemática, do painel de azulejos que desde sempre decora o topo da fachada. Está atribuído ao pintor António Costa, um dos principais artistas associados à Fábrica Lusitânia, de Lisboa. 
Este painel polícromo, de fundo amarelo, está pintado nas cores azul, verde, manganês e branco. Exibe ao centro um elegante vaso de flores, ladeado por grinaldas que pendem com panejamentos de umas flores inscritas na cercadura. A cercadura irregular e de fundo azul, é composta por uma sequência de rosas, de cores alternadas, e folhas. Nesta composição o pintor recria a antiga temática das albarradas (vasos floridos) caraterística do período barroco e patente na azulejaria portuguesa desde a segunda metade do século 17.