sexta-feira, 2 de julho de 2010

O Coleccionador




No início dos anos 40 a Casa da Calçada foi arrendada pelo Dr. Frederico de Freitas, prestigiado advogado e notário madeirense, com relevante desempenho no âmbito das Artes e Cultura locais.
O Dr. Frederico Augusto de Freitas nasceu a 15 de Dezembro de 1894 e faleceu em 27 de Novembro de 1978. Fez parte dos corpos directivos da Sociedade de Concertos da Madeira, desde a sua fundação em 1943. Dos anos 30 à década de 70, integrou as comissões organizadoras e executivas de prestigiadas exposições que se realizaram no Funchal, relacionadas com os mais variados temas de Arte e Cultura. Merece especial realce o seu desempenho na organização da 1ª Exposição de Gravuras da Madeira realizada em 1934, no Casino Vitória e que deu origem ao livro Estampas Antigas da Madeira, editado em 1935, pelo Clube Rotário do Funchal e de uma outra ocorrida em 1949, no Museu Quinta das Cruzes, de que resultou uma outra publicação intitulada Estampas Antigas de Paisagens e Costumes da Madeira, da autoria do Dr. Leite Monteiro, editada em 1951. Desses memoráveis eventos são ainda de destacar a Exposição de Esculturas Religiosas, apresentada no convento de Santa Clara, em Junho de 1954; a Exposição de Porcelanas Companhia das Índias que decorreu entre Setembro e Outubro de 1960, no Museu da Quinta das Cruzes e, organizada pela Academia de Música e de Belas Artes da Madeira na sua sede à Rua da Carreira 65, a de Cadeiras inglesas, patente ao público em Junho de 1971.
Membro da Comissão Directiva do Museu Quinta das Cruzes, em 1973 e fundador do Clube Rotário do Funchal, o Dr. Frederico de Freitas teve reconhecida acção benemérita no Convento de Santa Clara e Escola Salesiana de Artes e Ofícios, sendo-lhe concedida pelo Presidente da República a Comenda da Ordem de Benemerência, a 5 de Julho de 1971.
Amante e apreciador de peças de arte começa a constituir a sua colecção a partir dos anos 30, mas é após a mudança para a ampla moradia da Calçada que mais livremente manifestou a sua vocação de coleccionador que o levou a reunir, ao longo de mais de três décadas, importantes núcleos de Escultura, Pintura, Gravura, Mobiliário e Cerâmica.
A partir da Casa, intensamente vivida por um núcleo familiar alargado de que restam interessantes e diversificadas lembranças, o Dr. Frederico de Freitas deixou uma estreita teia de ligações, com individualidades locais e também com visitantes nacionais ilustres, alguns especialistas como o Eng.º Santos Simões, Bernardo Ferrão, só para citar dois nomes de referência nos domínios da azulejaria, mobiliário e arte indo-portuguesa. São estas memórias que nos mostram um homem interessado, com responsabilidades e papel activo em vários domínios da vida pública regional, mas também um estudioso atento que reúne publicações e documentação sobre as peças que colecciona e que procura, a partir dos contactos com especialistas de diferentes áreas, manter-se informado no que ao estudo e produção artística respeita.
Outra faceta que o caracteriza é o gosto em mostrar, apreciar e partilhar com terceiros cada objecto adquirido, falar e dar a conhecer cada particularidade descoberta. É este envolvimento com as colecções, espírito de generosidade e um profundo afecto pela sua terra que determina, em 1978, a decisão de legar à Região Autónoma da Madeira o seu património mobiliário que constitui recheio da sua residência.

Sem comentários:

Enviar um comentário